CULTURA

  • Jorge Campos

Entrevista com Llorenç Soler

Atualizado: 25 de Set de 2020

por Jorge Campos


"Há uma inquietação no documentário que não está presente na reportagem, que é jornalismo puro e duro”.


Llorenç Soler desenvolve a sua actividade em múltiplas direcções, nomeadamente como documentarista. Entre os seus documentários mais conhecidos contam-se Francisco Boix, un Fotógrafo en el Infierno e Max Aub, un Escritor en su Laberinto. Em Los Hilos Secretos de mis Documentales publicado em Barcelona pelos Libros de Ccomunicación Global reflecte sobre a sua actividade como realizador. Esta entrevista foi gravada no Porto em Outubro de 2001 quando da sua participação na Odisseia nas Imagens e resume  algumas das questões essenciais sobre a relação do documentário com a televisão.

Llorenç Soller

JC. O que lhe agrada no documentário?

LS. O que me agrada é o jogo que permite construir uma ficção a partir do real, exercer um ponto de vista, construir o meu próprio argumento, ou seja, não acredito de modo algum na objectividade: o documentário é tão subjectivo quanto a ficção.


JC. A objectividade parece ser uma crença da Televisão em função do seu carácter predominantemente informativo. Será que isso dificulta a relação entre o documentário e a Televisão?

LS. É, realmente, uma relação complicada, sobretudo porque há aí um conflito latente entre o percurso da gente do Cinema e o percurso dos jornalistas da Televisão. São dois mundos completamente diferentes. Pelo menos entre nós, em Espanha, para eles nós somos os artistas, os “poetas”, eles são os comunicadores, os que dão conta da verdade. Mas, as coisas não podem colocar-se desse modo. Aliás, ambas as tendências, muitas vezes, coabitam nos documentários. Mas, para isso, é necessário que a Informação sobre um tema seja apresentada de modo poético, criativo e original...


JC. Porém, o que acontece a todo o momento é a sensação dos procedimentos jornalísticos contaminarem todo o espaço da Televisão e, por via disso, a reportagem aparecer muitas vezes identificada como documentário...

LS. De acordo. É por isso que é indispensável delimitar os territórios. Fala-se, hoje, do documentário de criação – embora, a mim, não me agrade essa designação – e há o jornalismo audiovisual, que é outra coisa. Do meu ponto de vista, o documentário tem um valor acrescentado, que é o valor da criação. Há uma inquietação no documentário que não está presente na reportagem, que é jornalismo puro e duro.

JC. Que se passa, hoje, em Espanha, com respeito ao documentário?

LS. Há um ressurgimento extraordinário, sobretudo graças ao apoio das estações de Televisão.

JC. Não há aí uma contradição?

LS.Claro que sim, se tivermos em conta que se trata de um medium predominantemente informativo, jornalístico, onde impera o imediatismo e predominam os jornalistas. Contudo, parece que os operadores estão a descobrir este outro género que está para além do imediatismo e permite a reflexão sobre um tema.

JC.Quererá isso dizer que a linguagem da Televisão pode acolher o olhar do Cinema?

LS. No que eu acredito é que esta tendência introduz um olhar mais cinematográfico do que televisivo. Passam muitos filmes na Televisão, mas quando isso acontece, a Televisão funciona apenas como veículo, ou seja, não altera a sua natureza ou razão de ser. Com o documentário, porém, há uma perspectiva diferente e aí, sim, há reflexos muito interessantes. Basta atentar no facto de muitos documentários feitos para a Televisão, em Espanha, terem sido grandes sucessos nas salas de cinema.

JC. É complicado para si trabalhar com formatos televisivos de 25 ou 50 minutos?

LS. Não, isso não me causa qualquer problema.

JCOs problemas, então, são outros...

LS. Já falamos deles. Quanto ao mais, a Televisão também tem muitos aspectos positivos. Eu, por exemplo, fiz longas metragens que foram muito mal distribuídas e, por isso, foram vistas por muito pouca gente. Mas, a partir do momento em que foram exibidas pela Televisão tiveram 300 ou 400 mil espectadores em cada passagem, ou seja, entraram em contacto com o grande público, o que é muito bom.

216 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo