CULTURA

  • Jorge Campos

Na penumbra da memória, em busca de um país inocente

Atualizado: 23 de Out de 2020




Eis a límpida fonte da alegria, o fogo verde dos pinheiros quando o verão desagua no espelho do mar e reflecte o mistério dos que pregaram estrelas na cúpula do tempo e inventaram o ritmo dos sonhos no ritmo dos animais em movimento.

Eis a leve mão tão leve soltando o pássaro da manhã, lá onde o sol aquece a boca e o ar é puro e as palavras são como peixes no lume das águas

abrindo sulcos em dunas de cores bravias.

Eis a doce vertigem das marés, seu delicado movimento levantando a brisa, depois o vento, como se no ângulo aceso das horas se ouvisse uma dança de corpos vagabundos, depois um tropel de cavalos maravilhados

cavalgando o galope dos rins violentos.

Ei-los, os viajantes do tempo sem tempo, sem norma nem clausura, trazendo no abandono dos olhos, despojados e nus, o súbito clarão da ternura.

Eis um país inocente.


Verão, 1976

116 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

oblivion