CULTURA

  • Jorge Campos

em viagem, diante do mar

Atualizado: 6 de Nov de 2020


William Turner - Seascape with Storm Coming On, 1840

Faz calor. Caminho como se a luz do dia, indiferente à volta dos passos, mergulhasse a prumo no horizonte dos meus dias. Respiro nas dunas o murmúrio do vento, memórias de um rosto de marinheiro tão atento aos desafios e mistérios do mar. Sob o sol de azul intenso, uma gaivota. E uma casa desabitada de paredes brancas, corroída pelo sal do tempo, que um dia foi minha. Aí nasci de mãos errantes, de um rumor de lua nova, sob o imponderável signo de perder-me, talvez, felino de mim mesmo. Aí soube das águas do rio ainda os dedos tocavam estrelas em florestas densas de pássaros cumprindo noites de insónia e dias felizes. Aí aprendi o côncavo dos seios e o convexo do sexo como quem no corpo declina a palavra maravilha. Sendo muitos, tive por companhia o medo sombrio da loucura, a loucura luminosa da paixão, a paixão indomável da procura, a procura sonhada dos meus sonhos. Agora, estou só, diante do mar. Caminho ainda. Pode o calor atenuar a erosão da pele, iludir o declínio do rosto e ocultar o abandono das mãos, mas já o crepúsculo cai sobre a casa dos meus dias, e a gaivota, ferida de azul, alonga o seu voo na distância e o silencioso tigre no seu labirinto, pondera: em breve mal distinguirei as silhuetas do amor e da morte. Assim é o tempo, absoluto e final.



2011

151 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

oblivion